noticias


23/05/2013 -
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Atração e retenção de profissionais: desafio para autopeças
 
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d

Na visão de especialistas, universidades, marketing, áreas industriais e o sindicato contribuem

 

Da esquerda para direita: Adilson Sigarini, Sindipeças; Marcel Oliveira, Schaeffler; e Roberto Lui, Meritor. (Fotos: Ruy Hizatugu).
Atrair profissionais e, sobretudo, retê-los na empresa são desafios que não cabem apenas ao departamento de Recursos Humanos. Essa é a opinião compartilhada por três executivos do setor de autopeças durante o I Fórum de RH da Indústria Automobilística, promovido por Automotive Business na segunda-feira, 13, em São Paulo: Adilson Sigarini, conselheiro e diretor de relações trabalhistas do Sindipeças e diretor de RH da ThyssenKrupp; Marcel Oliveira, vice-presidente de RH, comunicações e assuntos corporativos da Schaeffler América do Sul; e Roberto Lui, diretor regional de RH da Meritor América do Sul.

O setor de autopeças, na opinião de Sigarini, é privilegiado por conseguir encontrar profissional qualificado da própria região em que a empresa está instalada. Mas é preciso a ajuda de universidades regionais e de outras instituições de ensino, como o Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial), para a indicação de jovens talentos. "Além das instituições, os próprios pais que construíram carreira em uma empresa têm o poder de descrever o clima de ambiente de trabalho e influenciar seus filhos a ingressarem nela", aponta Sigarini.

Outro departamento que têm a missão de encantar talentos é o marketing. É o que tem sido feito na Meritor. De acordo com o diretor Roberto Lui, a empresa não é muito conhecida pelos clientes finais por produzir eixos e cardans. "A solução para mostrar que a Meritor é uma boa empresa para se trabalhar veio através do nosso pessoal de marketing, que criou campanhas para inserir o nome da companhia na comunidade, através de patrocínios, por exemplo", comenta Lui.

CAPACITAÇÃO

Uma vez inseridos os novos profissionais, o departamento de recursos humanos vai contar com a assistência das áreas industriais para capacitá-los. "Na Schaeffler, temos programas de integração desenvolvidos em conjunto com gestores de cada área produtiva. Juntos, vamos preparar esse profissional dentro do tempo estabelecido pela nossa produção. Não podemos esquecer que nossa equipe tem de estar alinhada para atender também aos cronogramas de nossos clientes", declara Oliveira. Na ThyssenKrupp, os programas de capacitação são definidos pela corporação, mas todos são obrigados a fazer funcionar os novos profissionais em seus setores. Enquanto na Meritor, cada funcionário novo conta com um tutor experiente para ensiná-lo.

Oliveira, da Schaeffler, lembra que pode haver vários programas diferentes de capacitação do trabalhador, mas se não houver líderes que motivem a equipe, a retenção do empregado fica muito mais difícil. "O ambiente proporcionado pela liderança interna contribui fortemente para o clima de atratividade e de retenção em qualquer empresa", afirma Oliveira.

O profissional de RH conta ainda com a ajuda do sindicato dos trabalhadores para identificar quais são as dificuldades nas relações trabalhistas. Sigarini aponta: "O sindicato muitas vezes mostra soluções em momentos de crise. Faz com que os profissionais de recursos humanos entendam quais são as preocupações dos funcionários. Estudo do Ministério da Fazenda aponta que empresas brasileiras gastam muito mais com seguro desemprego do que se tivessem pagando apenas uma parte do salário pela hora não trabalhada."

Fonte:
http://www.automotivebusiness.com.br


Comentários


Nenhum comentário no momento!



Cadastre o seu comentário
 
Titulo:
Nome:
Email:
 
Comentário

(0 / 1000)
Receber comentários por email:
 
 



Voltar

 


RH AUTOMOTIVE
contato@rhautomotive.com.br (11) 9-9208-9621 (WhatsApp) | (11) 3777-3906
RH AUTOMOTIVE - todos os direitos reservados | Desenvolvimento